Um pouco de história

A década de 80 foi conhecida como a década perdida no Brasil, por conta da problemática economia, crescimento e desenvolvimento, culminando num período de hiperinflação.
No processo de redemocratização do país, o Brasil passou pelo presidente Tancredo Neves, que não chegou a assumir e morreu em 21 de Abril de 1985, assumindo então, a presidência, José Sarney.
Em meio a várias políticas para conter a inflação e alavancar a economia do país, houve o apoio a indústria nacional e ações para dificultar a importação de produtos, valorizando a industria nacional e a produção interna. Reserva de mercado.
Nesse cenário, ficou complicado para as empresas de videogame implantarem seus produtos de forma oficial no Brasil, causando o desinteresse de várias delas. Algumas empresas nacionais passaram, então, a produzir nacionalmente cópias do Atari 2600, e depois, do nintendo. Nes e famicom passaram a ser copiados e produzidos internamente, sem qualquer licença oficial. Foram apelidados de Clones.
E o fim da década de 80 e inicio da década de 90 foram dominados pelos videogames clones de nintendo no Brasil, entre eles o Phantom System (gradiente), o Top Game (CCE), Dynavision (Dynacom), Bit System (Dismac) entre outros. Consolidou-se então, um mercado de clones da plataforma nintendo de 8 bit, consoles, jogos e acessórios.

Era comum algumas redes como Mesbla, Mappin, Jumbo Eletro, Fotoptica, entre outros, que tinham sua sessão de vídeo e audio recheadas de videogames clones, os produtos ocupavam uma parte em conjunto dessas lojas.

Os Clones

Os Famiclones (cartuchos de 60 pinos) ou Nes Clones (72 pinos) são hardwares destinados a replicar o funcionamento do videogame de 8bit da Nintendo e permitir rodar os jogos do mesmo. Nos anos 80 e 90, vários clones foram produzidos ao redor do mundo e o Brasil foi um dos principais cenários.
Em 1989 foram lançados os videogames Dynavision II da Dynacom, 60 pinos (famicom), o Phantom System da Gradiente, 72 pinos (nes), o Top Game VG-8000 da CCE, 60 pinos e o Bit System da Dismac, 72 pinos.
Em 1990 foram lançados o Hit-Top Game, 72 pinos, (Milmar), o Top Game VG-9000 da CCE, 60 e 72 pinos, esse novo Top Game da CCE já trazia slots para cartuchos de ambos os tamanhos, controles encaixáveis e no padrão semelhante do famicom. E ainda, em 1990 saiu o Super Charger, da IBTC, 60 pinos.
Em 1991 saiu o Dynavision 3 da Dynacom, agora com 2 slots de cartuchos de 60 e 72 pinos. Também foi lançado o Turbo Game da CCE, a evolução e substituto do Top Game, mantendo os 2 slots de cartuchos e agora com um controle semelhante ao do Phantom System, porém invertido.
E nos anos seguintes, surgiram novos lançamentos como o Geniecom da Geniecom ( que já vinha com um Game Genie interno) em 1992, o Dynavision 3 da Dynacom em 1994, o Top System da Milmar ainda em 1994 e o ProSystem 8 da Chips do Brasil, também em 1994.

 


NES CLONES BRASIL - versão 1.0